terça-feira, 31 de agosto de 2010

Futuro.

Se não vencer no presente, não gostaras do que vem pela frente. A felicidade está em cada grão de areia. Felicidades é feita de momentos, juntando esses momentos todos na memória e terás a maior felicidade do mundo. 


Desde que ele foi embora, nada mais funcionou. O galo canta muito antes da aurora, e a roupa ainda não secou. Mesma lua que brilhava lá fora, uma nuvem de chuva apagou. O apito do guarda noturno assopra só pra me lembrar que acabou. O muro separa o mundo lá fora. A água do poço secou. O vidro embaça meus lábios encostam um beijo que não me tocou.

Diga que é pra ele voltar, que sem ele eu não faço nada bem, que duas pessoas não deixam de amar, que uma pessoa só não conta que uma pessoa só não é ninguém

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Metaforas Concretas.

Hoje de manhã eu esperei que você dissesse alguma coisa qualquer; um “bom-dia”, uma frase solta sem nexo, um boletim meteorológico. Qualquer coisa. Mas, só pra variar, você passou por mim calado.
São as páginas amarelas de uma história que nos une. Não é um objetivo, não é um desejo, não é um querer. Um punhado de palavras e pronto.
Enquanto eu espero uma atitude sua, o tempo passa.

Xadrez e Coca cola.

Eu bem que gostaria de perder o orgulho: aquela armadura que me protege e me engessa, que me mantém estagnada diante dos fatos.

sábado, 21 de agosto de 2010

Quando isso tudo vai mudar?

Pensamentos mais longe que uma nave espacial, o radio só uma velha canção: "e quando o inverno chegar", a noite desce e vem brindar junto a ti, olhe as chaves e diga que me ama! Não começa com as mentiras agora, deixa pro prazer! E quando o inverno chegar eu não quero nem saber.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

It's all I need.


Já não paro de pensar no momentos de tensão, nos momentos com você. Nos momentos mais frios, o calor chega em passos leves, românticos. O mundo já não é tão grande, quanto eu pensava, você é meu mundo, você é meu vício. Janelas se mexem, portas se abrem, pessoas perguntam, você aparece, o mundo para, tudo para, o tempo não anda, o calor sobe, o arrepio chega, e tudo some ao mesmo tempo, volta pra cá agora. Maçanetas tão brilhantes, quanto nosso amor.